A pescaria de Lula no G20

31/03/2009 20:46

 

Deu no Blog de Nassif

31/03/2009 - 09:26

A estratégia dos “olhos azuis”

        Quando não tem que pagar o óbolo ao estilo Folha, a Eliane é das melhores repórteres a cobrir o Itamarati e a deslindar a lógica diplomática. Aliás, confira a explicação do Itamarati para o conflito Lula-Biden e a interpretação do editorial da Folha, dentro do neoconservadorismo que tem marcado as opiniões do jornal.

Eliane Cantanhêde

A pescaria de Lula no G20

Lula jogou a isca, e Joe Biden, vice de Obama, mordeu.

        Foi assim: no primeiro de dois discursos na 6ª Cúpula de Líderes Progressistas, no sábado, no Chile, Lula cobrou: “O mundo paga o preço de uma aventura irresponsável dos que transformaram a economia mundial em um gigantesco cassino”. Defendeu um “Estado forte” e acusou “os mercados”.

        Em seguida, Biden discordou: “Nós não devemos exagerar. O livre mercado ainda precisa estar apto a funcionar. A mim parece que nós devemos é salvar os mercados dos “livre-mercadistas’”.

        De volta ao microfone, Lula engordou a isca. Jogou fora o seu texto e, de improviso, foi ainda mais contundente, responsabilizando os países ricos pela crise e cobrando que eles recuperem o crédito e a confiança internas para deixar de prejudicar os outros. Irônico, foi no fígado: “Não queremos que comece a cair primeiro-ministro e presidente pelo mundo afora”.

        Ao mesmo tempo em que atacava EUA e Europa, pais da crise, Lula defendeu enfaticamente a América Latina. O que o mundo desenvolvido condena como puro populismo, ele classificou de “uma onda de democracia popular”.

        Atingiu dois objetivos: 1) uma nítida polarização entre ele, pelos emergentes, e Biden, representando os EUA: 2) transformar a cúpula de oito líderes do Chile numa prévia do G20, na quinta, em Londres. Antes de voltar ao Brasil, ele avisou que são todos muy amigos, mas “falam línguas diferentes”. Deixou claro que manterá o discurso do Chile, contra o endeusamento dos mercados e a favor de mais Estado, mais regulação, mais equilíbrio mundial, mais integração entre nações e mais inclusão social.

        Megalomania à parte, tem tudo para ser destaque no G20. Dentro, por falar pelos emergentes e pelos pobres. E fora por estar em sintonia com o grito de guerra de centenas ou milhares de manifestantes: “As pessoas em primeiro lugar!”.

Do Editorial da Folha

        Tudo não passou, provavelmente, de mal-entendido. A expressão “Estado forte” tem conotação negativa na sociedade americana e até mesmo uma administração inclinada ao intervencionismo, como a Obama, evita empregá-la. Se Lula tivesse saltado o termo e partido para a explicação que deu a seguir -um “Estado democrático, socialmente controlado e eficiente na prestação de serviços”-, não teria havido dissonância.

Comentário

        Muitas vezes a diplomacia tem razões que só o próprio diplomata conhece. A prova do pudim é quando ficarem mais explícitas as propostas do governo Lula para a reunião do G20. Aí se saberá se é fumaça diplomática ou ação objetiva.

Comente este texto

Nenhum comentário foi encontrado.
 

© 2008 Todos os direitos reservados.

Crie um site gratuitoWebnode